Classificação de Risco Cardiovascular para Síndrome de Kawasaki

Documento criado em 2006 e atualmente difundido na comunidade médica americana através da American Heart Association classifica a Síndrome de Kawasaki com o nível “Risco Elevado”, desde que tenha aneurismas coronarianos.

Pacientes com Síndrome de Kawasaki que desenvolveram aneurismas as quais sofreram regressão ainda possuem classificação de “Risco mais baixo”.

A classificação de risco para doença cardiovascular implica na elaboração de uma análise clínica e consiste em:

  • Identificação de Risco
    • Risco elevado: Síndrome de Kawasaki com aneurismas coronarianos persistentes, FH homozigótico de alto risco, DM2, doença renal em estágio terminal, DM1, vasculopatia de transplante de órgão sólido, sobrevivente de câncer infantil (receptor de célula-tronco)
    • Risco moderado: obesidade grave, HF heterozigótica, hipertensão confirmada, coartação, Lp (a), DRC pré-diálise, EA, sobrevivente de câncer infantil (radiografia de tórax
    • Risco mais baixo: Doença de Kawasaki com aneurismas regredidos (zMax ≥5), obesidade, resistência à insulina com comorbidades (dislipidemia, DHGNA, SOP), hipertensão do avental branco, CMH e outras cardiomiopatias, hipertensão pulmonar, condições inflamatórias crônicas (AIJ, LES, DII, HIV), translocação da artéria coronária s / p para anômala artérias coronárias ou transposição das grandes artérias, câncer infantil (apenas quimioterapia cardiotóxica)

AS indica estenose aórtica; DRC, doença renal crônica; HF, hipercolesterolemia familiar; HCM, cardiomiopatia hipertrófica; DII, doença inflamatória intestinal; AIJ, artrite reumatóide juvenil; Lp (a), lipoproteína (a); DHGNA, doença hepática gordurosa não alcoólica; SOP, síndrome do ovário policístico; LES, lúpus eritematoso sistêmico; s / p, postagem de status; DM1, diabetes mellitus tipo 1; DM2, diabetes mellitus tipo 2; e zMax, pontuação z máxima a qualquer momento durante o curso da doença.

Em seguida deve-se seguir com a identificação de fatores complicadores:

  • Fatores de risco
  • perfil lipídico em jejum,
  • história familiar de tabagismo,
  • história familiar de doença coronária prematura (homens com idade igual ou inferior a 55 anos, mulheres com idade igual ou inferior a 65 anos),
  • hipertensão arterial (três aferições, ajustadas de acordo com a idade, o peso e o sexo),
  • índice de massa corporal (IMC),
  • glicemia de jejum e histórico de atividade física.

A classificação é completada por outras classificações clínicas realizadas pelo médico, conforme abaixo:

Figure.

Doença de Kawasaki

A doença de Kawasaki (DK) afeta 30 a cada 100.000 crianças nos Estados Unidos e é uma das principais causas de doenças do coração adquirida, resultando em aneurismas de artéria coronária em 20% a 25% das crianças não tratadas. A incidência de aneurismas é significativamente menor , <4%, em crianças que foram tratadas com imunoglobulina intravenosa no início da doença.

Felizmente, aquelas que nunca experimentaram complicações coronarianas têm um excelente prognóstico clínico e devem ser consideradas em risco habitual de aterosclerose.

Estudos que examinam a função vascular e A estrutura sugere que as crianças que tiveram DK sem aneurisma coronariano são provavelmente semelhantes àquelas que nunca tiveram DK. No início da doença, o perfil lipídico mostra triglicerídeos elevados na doença aguda e HDL baixo nos anos seguintes, mas sem evidência para sugerir um aumento em doenças de coração precoce em pacientes sem aneurismas.

Os pacientes com aneurismas estão certamente em risco aumentado de doença cardiovascular, mas não está claro se a aterosclerose acelerada desempenha um papel importante. Em vez disso, é mais provável que o dano ao vaso durante a DK aguda seja responsável pelo aumento do risco nesses pacientes.

Assim, as crianças cujas artérias coronárias sempre tiveram dimensões normais devem ter avaliação cardiovascular e triagem de lipídios conforme as recomendações para crianças saudáveis. A avaliação do fator de risco e o aconselhamento devem ser fornecidos para uma dieta saudável para o coração, exercícios aeróbicos regulares e evitar o tabagismo.

Em contraste, otimizar a saúde coronariana é particularmente importante para crianças com aneurismas conhecidos.

Pacientes com aneurismas regredidos ou persistentes são vulneráveis ​​a eventos futuros.

O prognóstico individual de uma criança está relacionado à extensão do dano coronariano. Os pacientes que desenvolveram aneurismas coronarianos gigantes têm a maior morbidade e mortalidade por essa doença. Esses pacientes estão em risco de formação de trombos onde o fluxo é interrompido.

À medida que os vasos danificados se curam, esses mesmos pacientes correm risco de estenose coronariana.

O teste vascular revela aumento da rigidez arterial e das medidas da cIMT em pacientes com aneurismas. Todas as crianças com dilatação arterial coronariana / formação de aneurisma persistente e maior que leve (escore z da artéria coronária> 2,5–5) devem receber aspirina como terapia antitrombótica. Pacientes com aneurismas de tamanho moderado devem receber terapia antiplaquetária com duplo agente. A anticoagulação é justificada para lactentes e crianças com aneurismas grandes ou gigantes persistentes. Todas as crianças que tiveram DK com aneurismas devem ser rastreadas quanto a distúrbios lipídicos a partir dos 2 anos de idade e à hipertensão após o diagnóstico. Tentativas de diminuir os fatores de risco adicionais devem ser otimizadas.

As estatinas estão sendo testadas na DK aguda como terapia primária, assim como em crianças com aneurismas na fase de convalescença. Os dados ainda são limitados quanto ao papel da terapia com estatina em pacientes com aneurismas. O uso da terapia com estatina em crianças ou adultos com aneurismas baseia-se no efeito antiinflamatório generalizado das estatinas na parede arterial. A evidência da terapia com estatina na DK com aneurismas vem de um estudo de tomografia por emissão de pósitrons que sugeriu diminuição da inflamação na parede arterial, bem como modelos de cultura animal e celular demonstrando diminuição da proliferação miointimal em resposta às estatinas.

Este artigo foi baseado na declaração “Cardiovascular Risk Reduction in High-Risk Pediatric Patients: A Scientific Statement From the American Heart Association”

O artigo original engloba diversos múltiplos fatores de risco que devem ser analisados pelo profissional competente.

Maiores informações em:

Cardiovascular Risk Reduction in High-Risk Pediatric Patients: A Scientific Statement From the American Heart Association

https://www.ahajournals.org/doi/10.1161/CIR.0000000000000618

Deixe uma resposta