Doença de Kawasaki: uma doença, vários gatilhos

Clustering recente da doença de Kawasaki em San Diego aponta para causas ambientais

Pesquisadores da Escola de Medicina da Universidade da Califórnia em San Diego, Scripps Institution of Oceanography e colaboradores internacionais têm evidências de que a Doença de Kawasaki (DK) não tem uma causa única. Ao estudar padrões climáticos e distribuições geográficas de pacientes em San Diego, a equipe de pesquisa determinou que essa doença inflamatória provavelmente tem múltiplos gatilhos ambientais influenciados por uma combinação de padrões de temperatura, precipitação e vento. Os resultados serão publicados na edição online de 12 de novembro do Scientific Reports .

“Estamos vendo evidências em primeira mão desses padrões climáticos em San Diego, onde oito crianças foram recentemente diagnosticadas com a doença de Kawasaki. Os sistemas recentes de baixa pressão em San Diego foram associados a dois grupos distintos da doença. Nossa pesquisa está apontando para uma associação entre o ambiente de grande escala, o que está acontecendo com o clima em grande escala e a ocorrência desses aglomerados”.

Jane C. Burns, MD, pediatra do Hospital Infantil Rady-San Diego e diretora do Centro de Pesquisa de Doenças Kawasaki da Faculdade de Medicina da UC San Diego.

A doença de Kawasaki é a doença cardíaca adquirida mais comum em crianças. Sem tratamento, aproximadamente um quarto das crianças com DK desenvolvem aneurismas de artérias coronárias – protuberâncias semelhantes a balões de vasos cardíacos – que podem resultar em ataques cardíacos, insuficiência cardíaca congestiva ou morte súbita.

Burns e sua equipe examinaram 1.164 casos de DK tratados no Hospital Infantil Rady durante 15 anos. Clusters perceptíveis de casos de DK foram freqüentemente associados a padrões atmosféricos distintos que são suspeitos de transportar ou concentrar agentes que resultam na Doença de Kawasaki . Os dias que antecederam e durante os grupos de casos de DK existiram condições de pressão atmosférica mais altas do que a média no sul da Califórnia, juntamente com uma característica de alta pressão ao sul das Ilhas Aleutas.

“Pela primeira vez, temos evidências de que há mais de um gatilho para a Doença de Kawasaki. Até agora, os cientistas têm procurado uma “coisa” que desencadeie o DK. Agora vemos que existem clusters distintos da doença com padrões diferentes, sugerindo causas variadas.”

Burns

A análise da expressão gênica revelou ainda grupos distintos de pacientes com DK com base em seu padrão de expressão gênica, e que os diferentes grupos estavam associados a certas características clínicas.

“Nossos dados sugerem que um ou mais gatilhos ambientais existem, e que as exposições episódicas são influenciadas pelo menos em parte pelas condições climáticas regionais. Propomos que a caracterização dos fatores ambientais que desencadeiam a DK em crianças geneticamente suscetíveis deve se concentrar em aerossóis inalados por pacientes que compartilham características comuns da doença ”

Burns, estuda DK há mais de 35 anos.

Embora se estima que a Síndrome de Kawasaki afete 6.000 crianças nos EUA a cada ano, a incidência está aumentando no condado de San Diego. Enquanto a incidência média por 100.000 crianças com menos de 5 anos residentes no Condado de San Diego foi de aproximadamente 10 na década de 1990, a estimativa de 2006 a 2015 foi de 25,5. Esse aumento pode ser atribuído aos esforços da equipe da DK no Rady Children’s Hospital para ensinar os médicos locais a diagnosticar a doença. Ou pode ser devido ao aumento da exposição aos fatores desencadeantes da DK.

As taxas de prevalência de DK estão aumentando entre as crianças na Ásia. O Japão tem a maior taxa de incidência, com mais de 16.000 novos casos por ano. Um em cada 60 meninos e uma em cada 75 meninas no Japão desenvolverão a Doença de Kawasaki durante a infância.

As taxas de incidência nos EUA são de aproximadamente 19 a 25 casos por 100.000 crianças menores de 5 anos – mas são mais altas em crianças de ascendência asiática. Modelos preditivos estimam que, até 2030, 1 em cada 1.600 adultos americanos terá sido afetado pela doença.

Os co-autores incluem: Martin Rypdal da Universidade Ártica da Noruega; Veronika Rypdal, do Hospital Universitário do Norte da Noruega; Jessie Creamean, da Universidade do Colorado; e Jennifer A. Burney, Daniel Cayan, Emelia Bainto, Shannon Skochko, Adriana H. Tremoulet, Chisato Shimizu e Jihoon Kim da UC San Diego.

  • Fonte:

https://ucsdnews.ucsd.edu/pressrelease/kawasaki_disease_one_disease_multiple_triggers?fbclid=IwAR1EQ4k02n6haVAWijrRcGS_cPYxT5cvUcQIMKJzzsbnxsya3PLq6E7Ysgs

Deixe uma resposta